Pnuma pede mais investimento em pessoas do que em carros

Segundo o documento, 1,3 milhão de pessoas morrem por ano em acidentes de trânsito, sendo 49% pedestres, ciclistas e motociclistas

Rua com bicicletas e carros

A falta de investimentos em calçadas seguras e na infraestrutura para bicicletas contribui para a morte de milhões de pessoas em acidentes de trânsito em estradas inseguras e mal projetadas, além de desperdiçar uma grande oportunidade de lutar contra as mudanças climáticas. Esta é a conclusão de um relatório sobre meio ambiente lançado pelas Nações Unidas em 20 de outubro.

O documento Global Outlook on Walking and Cycling (Panorama Global de Caminhada e Ciclismo, em tradução livre), do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), mostra que mais investimento neste tipo de infraestrutura ajudaria a salvar milhões de vidas e a reduzir emissões de gases.

De acordo com o relatório, 1,3 milhão de pessoas morrem por ano em acidentes de trânsito, sendo 49% pedestres, ciclistas e motociclistas. Quatro países africanos estão entre os mais perigosos para se caminhar ou pedalar: 66% dos casos atingiram pedestres e ciclistas no Malauí, 61% no Quênia, 53% na África do Sul e 49% em Zâmbia e no Nepal.

“As pessoas estão arriscando suas vidas cada vez que saem de casa”, afirmou o diretor-executivo do Pnuma, Erik Solheim, em comunicado distribuído à imprensa. “Mas não se trata apenas de acidentes. Projetar sistemas de transportes focados em veículos coloca mais carros nas ruas, aumentando as emissões de gases de efeito estufa e a poluição atmosférica. Precisamos colocar as pessoas e não os carros em primeiro lugar nos sistemas de transporte”, afirmou.

O relatório aponta que o transporte motorizado é responsável por 23% das emissões totais de gás carbono, o principal componente que acelera o efeito estufa. Se os números atuais se mantiverem, o transporte motorizado será responsável por 1/3 das emissões de gás carbono até 2050.

Estima-se que a má qualidade do ar, provocada em parte pela emissão da frota de veículos, provoca a morte prematura de sete milhões de pessoas por ano e aumenta problemas de saúde como bronquite, asma, doenças cardíacas e danos cerebrais.

A frota mundial de carros particulares deve triplicar até 2050, com a maior parte dos novos veículos em circulação em países em desenvolvimento, que já possuem a maior incidência de mortos e feridos nas ruas. Além de aumentar as mortes no trânsito, isto tornará mais difícil que o mundo consiga evitar que a temperatura aumente menos de 2°C.

O Pnuma pediu que os países invistam pelo menos 20% do orçamento de transporte em infraestrutura para pedestres e ciclistas para salvar vidas, reverter a poluição e diminuir as emissões de gás carbono, que têm aumentado mais de 10% ao ano.

“A menos que tenhamos ruas mais seguras, estima-se que em 10 anos 13 milhões de pessoas morram em acidentes de trânsito – mais do que a população inteira da Bélgica. O impacto humano é horrível, mas o impacto da sobrevivência de todos nós não pode ser ignorado”, afirmou Solheim.

O Programa da ONU também pede que os países desenvolvam políticas locais e nacionais para transporte não motorizado, com especial atenção a usuários mais vulneráveis deste tipo de transporte, como mulheres, crianças, idosos e pessoas com dificuldades motoras.

A pesquisa investigou o progresso de infraestrutura para pedestres e ciclistas em 20 países de baixa e média renda na África, Ásia e América Latina, onde o dobro de pessoas morre em acidentes de trânsito em comparação a países com maior renda.energiaenergiacesse o document na íntegra, em inglês, aqui.


Fonte: ONUBr

Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail