Megacidades: crescimento descontrolado contribui para o aumento da poluição

Planejamento urbano é mais importante que nunca

O crescimento demográfico, o progresso econômico e a globalização têm sido aspectos determinantes para o aumento no número de megacidades – cidades com mais de 10 milhões de habitantes. Atualmente já são 23, concentradas principalmente na Ásia, na África e América do Sul, contra apenas duas há 60 anos atrás.

O problema é que esse crescimento se deu de forma descontrolada e a falta de planejamento agora cobra seu preço. Cidades como Pequim e Nova Deli foram tomadas pela poluição do ar e enfrentam grandes problemas relacionados a doenças causadas por poluentes, patologias cardíacas e respiratórias, como asma, bronquite e até câncer.

O crescimento chinês

A China é um bom exemplo desse desenvolvimento econômico acelerado, cujos efeitos penalizam a população de algumas de suas cidades. Com uma indústria movida à queima de carvão mineral, o país enfrenta sucessivos recordes nos níveis de poluição. O aumento do número automóveis e o ainda intenso uso do carvão vegetal na cozinha e no aquecimento domésticos, também contribuem para o agravamento do problema.

Durante a primeira metade de janeiro de 2013, o Índice de Qualidade do Ar (AQI) que relaciona uma série de poluentes produzidos pela atividade humana apresentou um grave indicador em um deles, especificamente aquele relacionado às quantidades de material particulado no ar, que ultrapassou em diversas cidades o nível de 300, patamar reconhecido pelo ministério de proteção ambiental chinês como condição de poluição severa. A interpretação deste indicador pela Agência de Proteção Ambiental dos EUA (US-EPA) atribui como limite para a condição saudável um número equivalente a 20.

Durante o mesmo período, grandes centros urbanos como Nova York e Los Angeles apresentam índices muito mais baixos, com 45 e 52, respectivamente. A poluição chegou a causar cancelamentos de voos, por motivo de baixa visibilidade.

O problema não assusta apenas ambientalistas. O governo tomou medidas emergenciais, aconselhando os moradores de Pequim a não a sair de suas casas, saindo apenas para compromissos inadiáveis e sempre utilizando máscaras.  Além disso, a utilização de carros oficiais diminuiu e limites foram estabelecidos para as atividades da indústria da construção.

O vice premiê e futuro líder chinês Li Keqiang, afirma, segundo a mídia estatal do país, que a solução para a poluição do ar de Pequim é de longo prazo, e que a situação de hoje é fruto de um acúmulo ao longo do tempo. Apenas em 2012, 1,2 milhões de pessoas morreram prematuramente na região que compreende a China e o sudeste asiático por complicações causadas pela poluição atmosférica.


Imagem de satélite da poluição sobre a região de Pequim

Teerã

A capital do Irã enfrenta problema semelhante ao de Pequim. O ministério da saúde do país confirma que, apenas nos primeiros nove meses de 2012, 4.460 pessoas morreram em Teerã por conta dos altos índices de poluição. Em 2010, foram decretados feriados para que as pessoas não fossem expostas às partículas poluentes. Repartições públicas, escolas e universidades foram fechadas durante o período.

Teerã é famosa por sua poluição. A cidade é cercada por indústrias e usinas e possui uma frota de mais de 3 milhões de automóveis. Além disso, Teerã se localiza entre montanhas, o que faz com que haja menos chuvas e ventos na cidade. Consequentemente, a poluição é maior.

Mesmo com a adoção do sistema de rodizio de carros, semelhante ao que acontece na cidade de São Paulo, os habitantes da cidade estão expostos diariamente a partículas de dióxido de enxofre, benzeno e chumbo originárias da queima de combustível de baixíssima qualidade, produzido em condições precárias internamente, condição do embargo econômico que causa dificuldades à importação de derivados de petróleo de melhor qualidade. Para agravar o problema, a frota de automóveis do país está envelhecida, conjunto de motivos que contribuem para um cenário de emissões de poluentes em alta escala.

Índia, o pior ar do mundo

Na década passada a cidade de Nova Deli estabeleceu políticas orientadas ao limite de emissões permitidas, fechando empresas, renovando a frota de ônibus por uma movida a gás natural e investindo na expansão de áreas verdes.

Mas os esforços estão em risco, pois o problema voltou tornar-se extremamente grave, principalmente por conta do aumento da frota de automóveis. Com o desenvolvimento econômico, os consumidores cada vez mais preenchem as condições necessárias à posse de veículos automotivos, o que tem sido determinante para que diariamente 1.400 novos carros sejam inseridos nas ruas da cidade cuja frota ao final de 2012 já atingia ordem de sete milhões de veículos, aumento de 65% em relação a 2003.

De acordo com relatório apresentado durante o Fórum Econômico Mundial, realizado em Davos, na Suíça, a Índia possui o ar mais poluído do mundo. Os níveis de partículas com tamanho igual ou menor a 2,5 micrômetros (PM 2,5) chegam a ser cinco vezes maiores que o nível aceitável para saúde. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), esse tipo de poluente é responsável pela morte de 13% das crianças com menos de cinco anos internadas nos hospitais indianos.

São Paulo

Com uma frota de mais de 6,7 milhões de veículos, sendo 4,8 milhões automóveis, a maior cidade brasileira também enfrenta problemas com a poluição e a qualidade do ar. E, assim como nos outros casos, a falta de políticas públicas focadas no investimento em transportes públicos de massa e o incentivo econômico à compra de automóveis fazem com que a solução fique cada vez mais distante.

Para tentar minimizar os problemas causados pela poluição, o governo faz uso do rodízio, que restringe o uso de carros nos horário de pico, e a inspeção veicular, que mede e regula as emissões de poluentes dos veículos da cidade. Nenhuma delas inibe o uso do automóvel ou incentiva a utilização do transporte público.

Em 2011, de acordo com medições realizadas pela CETESB, a qualidade do ar atingiu o nível inadequado 97 dias, em pelo menos uma das estações de medição da cidade. Um estudo realizado por pesquisadores do Laboratório de Poluição da USP aponta que a exposição aos poluentes na cidade de São Paulo é equivalente a fumar dois cigarros por dia.

Riscos à saúde e soluções

A poluição do ar pode causar inúmeros problemas de saúde como asma, pneumonia, bronquite, inflamações dos vasos sanguíneos do aparelho respiratório e diversos tipos câncer, como de pulmão e garganta. Problemas cardíacos, riscos durante a gestação e até o desenvolvimento de autismo e a redução da expectativa de vida estão relacionados à poluição.

Os esforços de autoridades e empresas podem contar com o engajamento dos indivíduos se estes reconhecerem, enquanto consumidores, a enorme contribuição que são capazes de oferecer. Então o que uma pessoa pode fazer para contribuir menos para a poluição do ar?

O uso de matérias-primas fósseis tem sido marca no processo de desenvolvimento de nossa civilização desde a primeira revolução industrial, sobretudo como fonte de energia, cujos exemplos de combustíveis mais utilizados desde então são o carvão, gás natural e sobretudo o petróleo, artigo de altíssimo valor e sinônimo de poder econômico e geopolítico entre nações. Para além de fonte energética, o petróleo tem sido transformado pela indústria em formas as mais variadas, componentes de inúmeros objetos de uso humano, o mais frequente deles os plásticos.

Diante do crescente nível de inovação tecnológica aplicada pela indústria petroquímica e das condições ambientais em que nos encontramos, o consumo desta valiosa matéria-prima enquanto combustível se apresenta claramente como o uso menos qualificado que podemos dela fazer. Diversos seriam os argumentos, mas sem dúvidas o principal deles pode ser relacionado ao desequilíbrio que causamos na composição da atmosfera do planeta, com efeitos dramáticos, seja sobre a saúde dos habitantes, seja no desequilíbrio do efeito-estufa e sua correlação com o processo de mudança climática que atravessamos, com consequências potencialmente relacionadas ao aquecimento global. Trazemos carbono das profundezas do planeta para deliberadamente poluirmos com dióxido de carbono  e outros gases a atmosfera que nos mantém vivos em um processo contínuo de intoxicação.

A despeito do respeitável desenvolvimento técnico e cultural que nossa história descreve, parece paradoxal nos classificarmos como "vida inteligente" ao conduzirmos a evolução de nossa sociedade baseados neste modelo.

Evite utilizar seu automóvel para deslocamentos urbanos em que possa utilizar alternativas menos poluentes, como a bicicleta e o transporte público, sobretudo trens e metrô. Evite o consumo de energia elétrica em excesso, sobretudo nos horários de pico, normalmente aqueles após o horário de trabalho, quando a rede elétrica está sobrecarregada e o acionamento de fontes complementares de energia, a exemplo das termoelétricas baseadas em combustíveis fósseis, são necessárias.

Além disso, a pressão popular sobre as autoridades em favor de políticas públicas que priorizem o transporte público, a redução das emissões, matriz energética limpa e a preservação do meio ambiente, são medidas de cidadania e educação ambiental das mais relevantes.

Veja também:
-Aquecimento Global: Causas, Consequências e Combate
-Pesquisa comprova aumento significativo da poluição no mundo
-O planeta à beira de um colapso


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail