Aquecimento global pode diminuir tamanho de peixes nas próximas décadas

Escassez de oxigênio em águas mais quentes e migração são os principais motivos

Um novo estudo dos oceanos do planeta indicou que é provável que o aquecimento global cause a diminuição do tamanho dos peixes em até 25% nas próximas décadas. Cientistas alertaram que a redução no tamanho dos peixes é acompanhada pela diminuição dos estoques de pescados em todo o mundo, em um momento em que a pressão ecológica é cada vez maior e a demanda crescente.

O Professor Willian Cheung, da Universidade da Columbia Britânica, no Canadá, que liderou a pesquisa, não esperava que os efeitos fossem tão relevantes. O projeto analisou as consequências do aumento das temperaturas dos oceanos no crescimento e na distribuição de mais de 600 espécies de peixes no mundo todo e descobriu que deve haver uma redução de tamanho entre 14% e 25 % até 2050, com efeitos mais severos em regiões tropicais.

Outros efeitos

Já o Professor Callum Roberts, da Universidade de York, que não é um dos autores do estudo, alerta que outros efeitos das mudanças climáticas, como a acidificação dos oceanos e a redução das quantidades de nutrientes, ajudam a reduzir os estoques mundiais de pescados ainda mais rápido enquanto se continua praticando a pesca irracional. Roberts alega ainda que mais de um bilhão de pessoas no mundo dependem da pesca como fonte principal de proteínas, e esse número deve aumentar em países em desenvolvimento.

O encolhimento previsto dos peixes tem duas causas principais: a dificuldade dos peixes crescerem em águas mais quentes (possuem menos oxigênio) e a migração.

De acordo com Cheung, a taxa metabólica dos peixes se eleva quando a temperatura da água sobe, o que aumenta também a demanda do organismo por oxigênio. No entanto, a água quente possui menos oxigênio, o que limita o crescimento. Além disso, os peixes menores que vivem nos trópicos devem migrar para regiões temperadas ou polares à medida em que os oceanos se aquecem, reduzindo o tamanho médio dos peixes.

Mais estudos

Ainda segundo Cheung, os efeitos já começam a ser percebidos e apontados por outros estudos, como um de 2011, que revelou uma diminuição do tamanho dos hadoques no Mar do Norte, relacionado ao aumento da temperatura. A equipe de Cheung projeta aumentos de temperatura utilizando dados do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC - sigla em inglês).

Além disso, segundo Roberts, o dióxido de carbono liberado na atmosfera é dissolvido no oceano, aumentando a acidez da água. Isso seria bastante prejudicial para muitos organismos que estão na base da cadeia alimentar, portanto, que possuem papel fundamental na manutenção do equilíbrio ecológico. Para o cientista, essas são algumas das razões que tornam emergencial o controle das emissões de gases que provocam mudanças climáticas.

Para acessar o estudo completo (em inglês), clique aqui.


 

Comentários  

 
+1 #1 2014-05-04 05:54
só queria tirar uma dúvida: os invertebrados marinhos possuem uma taxa de reprodução bem maior, não é? tipo camarões, siris, mexilhões(princ ipalmente este)? eles não podem suprir uma demanda maior de alimento pro mundo em vez dos peixes vertebrados?
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail