Impressora que cria tecido vivo pode ser alternativa a testes em animais

Nova tecnologia barateou custos da chamada "biofabricação"

Os testes em animais costumam causar polêmica em todo o mundo. De um lado, a comunidade científica afirma que esse tipo de procedimento é importante para as pesquisas. Do outro, grupos ambientalistas condenam a prática, sob a alegação de que ela submete as demais espécies a torturas e maus tratos.

Uma saída para o problema pode vir de uma invenção da startup de biotecnologia BioBots. Ela apresentou recentemente uma nova impressora 3D que recria tecido vivo e órgãos humanos em miniatura. Atualmente, a técnica é usada em testes de medicamentos e demonstra melhor desempenho que nos animais, de acordo com os desenvolvedores.

No lugar de plástico, a impressora 3D da BioBots usa uma tinta especial que pode ser combinada com biomateriais e células vivas para construir tecido vivo. A tinta conta com um composto foto-inicializador que, quando ativado pela luz azul emitida pela impressora, consegue recuperar estruturas biomateriais.

O dispositivo foi demonstrado no palco do TechCrunch Disrupt NY, onde imprimiu uma réplica da orelha de Van Gogh. Apesar de conseguir reproduzir órgãos inteiros, a aplicação não visa a transplantes ou reposição, pelo menos por enquanto. O potencial no curto prazo é ajudar a fomentar terapias personalizadas para tratamento de doenças.

“Podemos tirar células diretamente do paciente e construir tecidos 3D especificamente para esse paciente, e testar diferentes tratamentos, rotinas diferentes de medicamentos e de terapia individualizada para a doença específica do paciente”, explicou Danny Cabrera, um dos fundadores da BioBots.

A tecnologia da biofabricação, como é chamado o processo de construção artificial de tecidos vivos, existe há mais de dez anos, mas as impressoras existentes até agora ocupam salas inteiras e são muito caras, com preços entre US$ 100 mil e US$ 500 mil.

O que o dispositivo da BioBots fez foi tornar tudo mais barato. Os primeiros modelos começarão a ser vendidos nos próximos meses, por US$ 5 mil. A quantia, porém, é para os pesquisadores que estão ajudando no desenvolvimento da impressora. Para saber mais clique aqui.

Fonte: EcoD

Veja também:
-Câmara aprova projeto que limita testes em animais para produção de cosméticos
-Europa bane testes de cosméticos em animais
-Sete passos para começar a criar galinhas na cidade
-Espécies de herbívoros correm risco de extinção


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail